Movimentos sociais articulam 16º Grito dos/as excluídos/as de Mossoró

“Queremos este ano um Grito sem repressão da polícia. Queremos que esse ato seja visto pela polícia e pela sociedade como um espaço democrático, onde todos os movimentos sociais tenham voz e vez, e acima de tudo, liberdade para expor suas temáticas e dramas sociais”. É assim que Carlos Antonio, da comissão organizadora do Grito dos/as Excluídos/as de Mossoró, almeja que o movimento ocorra no próximo dia 07 de setembro, dia do desfile cívico-militar de comemoração ao Dia da Independência do Brasil.

A maior bandeira do Grito deste ano é contra o latifúndio, que está sendo ressaltada no plebiscito popular Pelo Limite da Propriedade da Terra. A votação começou no dia 01 de setembro e segue até o próximo dia 12 do corrente mês. Em Mossoró, são diversas urnas fixas e itinerantes espalhadas por toda a cidade, assentamentos e comunidades rurais.

Outros movimentos e entidades também irão reivindicar suas lutas, como o MST, que destaca a violência nos conflitos de terra e também o SINTE, que busca uma solução urgente junto à Secretaria de Educação para o CAIC do Belo Horizonte, que está ameaçado de ter suas portas fechadas por falta de estrutura.