Mulheres cisterneiras: a força e a resistência de Ana Maria da Silva

IMG_2145

Quebrando as barreiras do que a sociedade patriarcal estabelece como “trabalho de homem” e de “trabalho de mulher”, Ana Maria da Silva, do projeto de assentamento Professor Maurício de Oliveira, município de Assú, no Rio grande do Norte, se destaca como cisterneira, sendo muito requisitada pela população local e até mesmo influenciando os homens de sua família, que antes não acreditavam na sua capacidade, a seguirem seus passos.

No ano de 2011 a família de Ana Maria foi contemplada com a cisterna de 16 mil litros do Programa 1 milhão de cisternas (P1MC) da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), também conhecida como a primeira água, destinada para o consumo humano. Em 2014, prestes a ser contemplada com a cisterna calçadão, do Programa uma terra e duas águas (P1+2), conhecido como a segunda água, destinado para a produção, também desenvolvido pela ASA, Ana Maria recebeu o convite do Centro Feminista 8 de Março (CF8) para participar de um curso de cisterneira, desafio este que ela aceitou com muita bravura, contrariando opiniões de alguns homens de sua comunidade que não acreditavam que uma mulher pudesse desenvolver esse tipo de trabalho.

IMG_2125Ao final do curso, Ana Maria procurou a instituição responsável para construção da sua cisterna do P1+2 e pediu para que ela mesma executasse o serviço, como ela conta: “Aí, depois desse curso do CF8, eu procurei os meninos da Coopervida e perguntei pra eles se eles confiavam no trabalho da mulher, disse que eu queria construir a minha cisterna. Eles aceitaram e eu trabalhei na construção da minha cisterna e na de outra companheira que também participou do curso e trabalhou junto comigo”.

Foram muitos os obstáculos enfrentados durante este processo de construção das primeiras tecnologias, principalmente dentro de casa. Ana Maria conta que seu marido não acreditava na sua capacidade: “era eu construindo e ele dizendo que não ia dar certo. No final, quando já estava quase pronta, foi que ele veio reconhecer” explica. Ana também falou que o marido não gostava da ideia de trabalhar para ela: “ele já era pedreiro, aí quando eu fui construir ele achava um absurdo ele trabalhar como meu servente”.

IMG_2115Com força e persistência para enfrentar as críticas e após as primeiras cisternas prontas, sem nenhum problema de execução, sem nenhum vazamento, Ana mostrou para a comunidade e principalmente para o marido que o trabalho das mulheres é valioso e conseguiu desmistificar a ideia de que a construção de cisternas era um trabalho exclusivamente masculino. Com o sucesso de seu trabalho, sendo chamada para construir em outras comunidades, Ana conseguiu inspirar os homens de sua família a seguirem seus passos, hoje o marido e o filho, que influenciados por ela passaram por capacitações, trabalham junto dela.

Em 2018, a comunidade Maurício de Oliveira foi contemplada com o P1+2 pela segunda vez, agora com execução através do CF8, e a população local, tendo Ana Maria como referência, faz questão de seus serviços para a construção das novas tecnologias sociais. “Eu fico feliz que o pessoal reconhece o meu trabalho. Até as cisternas que não deu pra eu construir por causa do tempo, as meninas pediam pra eu ficar dando uma olhada, pra ver se tava tudo certinho”, conta ela.

As dificuldades não foram totalmente vencidas, mas Ana Maria sabe muito bem como lidar com elas: “às vezes os companheiros não gostam quando eu digo que tem alguma coisa que não está do jeito que era pra ser, mas eu não ligo e faço o meu trabalho do jeito que tem que ser feito, né?”.

IMG_2104Através desse trabalho, Ana Maria, que é agricultora, consegue uma renda complementar para a família e mais que isso, o respeito e o reconhecimento dentro e fora de sua comunidade. Mas segundo ela, o principal é garantir um serviço bem feito: “eu faço tudo com muito carinho. Meu marido até reclama que eu sou muito exigente, mas é que eu gosto de tudo caprichado pra garantir um bom serviço. O principal é a gente fazer as coisas com paixão, né?”.

De aprendiz, Ana Maria hoje se tornou uma referência, e a equipe que está trabalhando com ela irá receber o certificado de cisterneiro, emitido pelo CF8 e pela ASA ao final da execução do projeto.

IMG_2152

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s